Notícias

26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo recebe 660 mil visitantes, registra gasto médio 40% maior e se consagra como edição histórica

26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo recebe 660 mil visitantes, registra gasto médio 40% maior e se consagra como edição histórica

A edição já é considerada a ‘Bienal das Bienais’, por visitantes e expositores. Público 10% maior festejou a volta ao formato presencial, e 72,5% se dirigiu à grande festa literária decididos a adquirir livros e ver de perto seus autores preferidos, com grau de satisfação de 90,3%.

Pronta para ficar guardada na lembrança de todos. A 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, realizada em clima festivo e de encontro de leitores ávidos por novidades, após quatro anos de isolamento social, levou otimismo aos corredores do Expo Center Norte sobre o futuro do mercado editorial. Com um dia a menos para a sua realização – no período de 2 a 10 de julho – , a expectativa em torno da versão 2022 da Bienal estimulou a venda antecipada de ingressos da ordem de 90% e atraiu 660 mil visitantes, 10% superior ao público da edição de 2018. Segundo ainda pesquisa realizada durante o evento pelo Observatório do Turismo, da São Paulo Turismo (SPturis), o ticket médio foi de R$ 226,94: um aumento de 40% comparado a 2018.

O esforço pela democratização do acesso ao livro foi confirmado pelo resultado de ações como cashback (no valor pago pelo ingresso) e vale-livro (voucher individual de R$ 60, distribuído a alunos e educadores da rede paulistana de ensino), destinados à aquisição de livros direto com as editoras, no valor de R$ 7,2 milhões, durante os nove dias da Bienal. E não faltou a diversidade em gêneros literários, para todos os gostos e bolsos, conferidos num conjunto de 300 autores nacionais e 30 internacionais.

E a demanda aferida pela Bienal, de 7 livros por pessoa, dimensiona o poder de compra do visitante e disposição para adquirir os livros direto no caixa do expositor. O conceito de livraria como ponto de encontro dos amantes dos livros, local apropriado para vivenciar a experiência com as obras e adquirir exemplares foi reforçado no evento. Do layout ao atendimento, passando pelos atrativos criados por cada expositor, os estandes se tornaram espaço de convivência e grande biblioteca de consulta aos títulos ofertados. Ao todo 182 expositores, que disponibilizaram cerca de 500 selos editoriais, numa prateleira completa e diversificada em gêneros literários, somando 3 milhões de livros.

A nova casa – o Expo Center Norte – recebeu a aprovação de 69,3% e índice de satisfação dos expositores se situou em 87%, que supera em 25% o grau de aceitação plena da edição de 2018.

Com motivos para brindar o êxito da grande festa literária, que reafirma o novo momento e perspectivas para o universo do livro, a partir da Bienal, Vitor Tavares, presidente da Câmara Brasileira do Livro (CBL), realizadora do evento, frisa o acerto da campanha publicitária: “Todo mundo sai melhor do que entrou”. A chamada convida os participantes a atestarem o poder transformador do livro e o evento como polo de encontro com o saber. “A melhor campanha de todos os tempos, que traduz o objetivo de posicionar o livro como protagonista da mudança de cada leitor”, avalia ele ao completar “outra importante conquista é identificar o quanto a Bienal cumpre o papel de difusor de negócios e relacionamento para os players do setor”.

Inserir o evento, cada vez mais, na rota das grandes feiras literárias internacionais, foi outro passo largo dado com a edição de 2022. A aproximação com Portugal – convidado de honra – marcou as comemorações do Bicentenário da Independência do Brasil mas também estreitou os laços e abriu caminho para novos acordos bilaterais no segmento editorial.

Sede pelo conhecimento

Espaços culturais concorridos, nove ao todo, onde o público buscou se inserir no debate de grandes temas relacionados ao universo do livro, compuseram as 1.500 horas de programação. Áreas destinadas a pensadores do mundo literário, empreendedores, artistas do cordel e do repente, personalidades da gastronomia, educadores que desenvolveram atividades para crianças, celebridades e outras atrações. E o público provou que nem só de estandes de livros vive a Bienal, já que o encontro com o conhecimento e lazer também ganhou espaço na agenda do público durante a visita ao evento.

 

Principais números da 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo

 

Público visitante 660 mil
Ticket médio             R$ 226,94
Compra online de ingressos 90% dos ingressos
Ações de incentivo vale-livro e cashback  R$ 7,2 milhões
Quantidade de livros 3 milhões
Média de livros adquiridos 7 por pessoa
Selos editoriais Cerca de 500
Área ocupada total 65 mil metros quadrados
Expositores 182 expositores
Espaços culturais 09
Horas de programação 1500
Autores nacionais 300
Autores internacionais 30
Visitação escolar 60 mil

 

Expositores: resultados e perspectivas

Faturamento aumentado e uma bolha de otimismo nos estandes

Com vendas muito acima das expectativas, a HarperCollins Brasil superou metas ao vender 253% em livros nesta edição da Bienal. A editora disponibilizou no evento um total de 883 títulos: os que largaram na frente no sucesso de público no evento estão: “Casal imperfeito: retratos de um casamento aperfeiçoado em Deus” (Fernanda Witvytzky); “O dia que a árvore do meu quintal falou comigo” (Paulo Vieira); “Um salto para o amor” (Aione Simões); “Os 8 disfarces de Otto” (Lola Salgado); “O beijo do rio e Homens pretos (não) choram” (Stefano Volp); “Telefone preto e outras histórias” (Joe Hill) e “Cristianismo puro e simples” (C. S. Lewis), além dos títulos de Tolkien e Agatha Christie. “Nessa edição da Bienal pudemos observar um enorme fluxo de jovens procurando por livros, dos mais diferentes autores e vozes, o que passa um cenário de muito otimismo quanto ao mercado literário na retomada das feiras”, sintetiza Leonora Monnerat, diretora executiva da HarperCollins Brasil.

As Edições Sesc registraram 40% de aumento no conjunto de livros. Entre os títulos que figuraram no top list do estande estão as seguintes obras: “Abecedário de personagens do folclore brasileiro”, de Januária Cristina Alves; “Tom Zé: o último tropicalista”, de Pietro Scaramuzzo e “Tarsila do Amaral: a modernista”, de Nádia Battella Gotlib.

Em relação à edição que ocorreu em 2018, a Edições Loyola contabilizou crescimento médio de 30%. Foram 3 mil títulos, sendo 45 exemplares de cada um. Entre os que lideraram a demanda no estande do expositor estão: “Cabeça Fria, coração quente” (Abel Ferreira) e HeartStopper. “Foi uma ótima experiência. Com certeza ficará conhecido como a Bienal das Bienais. Com certeza que iremos voltar. Para nós, via ficar conhecida como a Bienal das Bienais”, declarou Raphael Bispo, diretor comercial da Editora Loyolla.

“Essa foi uma Bienal para entrar na história. Tivemos o melhor faturamento desde quando começamos a participar da Bienal do Livro”, acentua Heloíza Daou, diretora de Marketing da Editora Intrínseca. Os números do expositor impressionam e indicam, segundo a editora, demanda reprimida por conta da pandemia: 150% a mais no montante faturado e 45% a mais no volume de livros vendidos, em comparação com 2018. A média 9 livros vendidos por minuto (58 mil no total) estabelece um recorde para a participação da editora. Entre os gêneros mais procurados no estande da empresa estão os de suspense e do universo true crime, além de títulos que ganham adaptação para o audiovisual (cinema e plataformas de streaming). O TikTok foi um propulsor nas vendas, a exemplo do sucesso de Os dos morrem no final, de Adam Silvera, e Viúva de ferro, de Xiran Jay Zhao. Entre os campeões de vendas estão: Manual de assassinato, Os dois morrem no final, Modus operandi e o best seller Amor & Gelato.

O melhor resultado da história. Assim, a Rocco Editora classifica o crescimento de 185% nas vendas durante a Bienal, no comparativo com a edição anterior do evento. A editora apresentou 350 títulos para um público que respondeu à oferta de obras de seu portfólio editorial: Mulheres que Correm com Lobos (Clarissa Pinkola Estés); Rádio Silêncio (Alice Oseman); Box Harry Potter (J.K. Rowling); A Cantiga dos Pássaros e das Sepentes (Suzanne Collins); Filhos de Sangue e Osso (Tomi Adeyemi). Bruno Zolotar – diretor comercial e de marketing da Rocco concorda que a Bienal é “sem dúvida, um dos mais maiores e mais importantes eventos do mercado editorial, voltado à interação entre editoras, escritores e leitores”. Ele reitera que, entre outros destaques, por se tratar da casa de Harry Potter, a editora tem uma ligação muito próxima e lúdica com seu público e que retornará sempre às edições da feira.

Pela primeira vez como expositora na Bienal do Livro, a Literare Books International trouxe 250 títulos e vendeu, em média, 800 exemplares por dia – uma expectativa de 110% acima do esperado. Maurício Sita, presidente da companhia, encerra o evento com a sensação de missão cumprida. “Mesmo sendo nossa primeira Bienal, este é o melhor evento que já participamos [em termos de faturamento], desde nossa fundação, há 25 anos” Com certeza voltaremos na próxima edição”, ressalta.

Outra estreante no evento, a Editora Mostarda vendeu 4 mil livros, o dobro da previsão inicial de 2 mil. Com a certeza que de que repetirá a experiência, Pedro Mezette, Publisher da editora, diz que “ficou claro que demos o primeiro passo para a caminhada ao participar da Bienal”. Os livros mais vendidos no estande foram: “Jardim de Marielle” (Majori Silva); Menina Sonhadoras, Mulheres Cientistas (Flávia Martins de Carvalho), ambos dirigidos ao público infantil.

De seu estande, o Grupo Editorial Global emitiu o balanço de 100% a mais de livros comercializados sobre o saldo de 2018. Entre as obras mais destacadas estão: Flores de Alvenaria; Literatura, Pão e Poesia e Colecionador de Pedras, de Sérgio Vaz. Além de O Povo Brasileiro Edição Comemorativa Darcy Ribeiro e Ou Isto Ou Aquilo, Cecília Meireles, entre outros. “O curioso dessa relação é que as vendas iniciais se concentraram em títulos como O Povo Brasileiro, seguido por Casa Grande & Senzala.

Para a editora Globo, o motivo também é de celebração. As vendas foram quatro vezes maior que em 2018 – e já há planos para voltar em 2024. Os livros mais vendidos foram:”Battle Royale”, “Você ligou para o Sam” e “Escravidão 3”. Na interpretação de Mauro Palermo, diretor da editora, foram acertadas a data, estrutura e organização do evento.

Em números, a Ciranda Cultural – um dos maiores espaços com 3 estandes na Bienal – foram mais de 4 mil títulos em exposição para o público que, ao final das vendas, rendeu R$ 1,3 milhão. Entre as obras mais vendidas os destaques são: “1984”; “Coisas que guardei para mim” e “Varal das Letras”. Jonatha Jacinto, responsável pela editora na Bienal, considera que esta edição do evento “foi a melhor de todas as demais, com curadoria impecável e dias surpreendentes no estande”. O representante da Ciranda assegurou que a empresa marcará presença nas próximas edições.

No Espaço Cordel e Repente, a venda de exemplares também foi positiva: 18.900 córdeis e 6.500 livros vendidos.

 

Voltar
OKN Group